Dois grandes disjuntores Indeco em missão subaquática.

1 Julho 2016

O objetivo e o projeto

Na localidade Cala Ponte, nos arredores do povoado de Polignano a Mare, existe desde o início dos anos setenta um porto entre dois quebra-mares que está praticamente abandonado. A razão para o abandono é principalmente devida à necessidade de prosseguir com a escavação de algumas áreas rochosas da bacia. O projeto de conclusão do porto, que inclui a realização de uma marina para esportes náuticos, é um componente muito importante para a recuperação do turismo promovida com vigor pela Administração Municipal de Polignano a Mare e dos municípios vizinhos de Alberobello, Castellana Grotte, Conversano e Monopoli. De fato, apesar do importante patrimônio histórico, ambiental e cultural, e a existência de condições climáticas ótimas durante quase todo ano, a costa ao sul de Bari sempre sofreu de uma crônica carência de iniciativas empresariais no setor do turismo, e em particular dos esportes náuticos. O porto também atenderia à alta demanda para portos ao sul de Bari, que hoje é insuficientemente atendida pelos portos vizinhos de Mola di Bari e Monopoli. Finalmente, deve-se observar que nas intervenções para o desenvolvimento do porto já existente é necessário agir com muito cuidado, porque esta é uma área de alto valor ambiental.

O porto nas condições atuais

O porto de Polignano a Mare é classificado como porto de importância econômica regional e inter-regional. Situado na localidade “Cala Ponte”, fica a aproximadamente 2 km a noroeste do povoado e, portanto, em uma área periférica compreendida entre o centro urbano (a sudeste) e a área turística e residencial (a noroeste), o porto tem boa ligação ao centro urbano de Polignano e com a rodovia SS. 16, recentemente modernizada pela ANAS. A estrutura portuária atual consiste de um quebra-mar dividido em dois braços de 197 m de comprimento e por um cais de 85 m de comprimento, criando um canal de entrada com largura de cerca de 110 m. As únicas docas de atracação rudimentares estão apenas presentes ao longo de trechos curtos do quebra-mar e do cais. A profundidade do mar do porto é muito pequena dentro e em torno de seu perímetro, e caracteriza-se em vários pontos por bancos rochosos (formados pela rocha calcária que compõe grande parte da costa nas proximidades). A marina é particularmente exposta ao vento e às ondas geradas pelo Siroco, vento dominante e que quando sopra violentamente, torna imprópria a utilização de todo o espelho d’água interno. Quando o vento Mistral do norte sopra forte, as ondas quebram sobre o quebra-mar, já que ele é de apenas + 2,50. Além disso, o canal de entrada com 115 m de largura é tão largo que a única área adequadamente protegida das ondas fica próxima do cais interior, onde a água é muito rasa para a atracação dos barcos. Essa exposição aos ventos e ondas, combinada com a inadequação das estruturas de proteção do porto, geram uma forte agitação interna que, juntamente com o perigo de águas rasas e bancos de areia, criam uma limitação séria para o uso do porto, o qual só é viável nos meses de verão e para pequenas embarcações. Nos meses de outubro a maio, durante os quais tempestades são mais frequentes, o porto é declarado inadequado para uso.

As novas obras em projeto

Em linha general, as obras estruturais previstas referem-se ao prolongamento do cais interno e do quebra-mar, o canal de entrada, o acesso para embarcações, os pontões flutuantes, e a alteração do projeto e do tipo de instalações em terra. O fundo do porto vai ser escavado para permitir o acesso e manobras seguras de embarcações de diversos tamanhos, bem como a atracação. O trabalho de escavação da bacia vai aumentar a profundidade da água do canal de entrada até a base do quebra-mar em cerca de 4,5 m; a faixa central da bacia em 3,5 m; a faixa delimitada pela extremidade do braço quebra-mar a leste e o litoral ao sul a uma profundidade de 2,5 m e, finalmente, a área mais interna, localizada a oeste da bacia e destinada a barcos menores, a uma profundidade de 1,5 m. As intervenções de aumento da profundidade serão acompanhadas pela ampliação, reforma e novas construções de docas de atracação ao longo do quebra-mar e do cais.

Dragagem, volumes e tipologias dos materiais dragados

Em geral, o fundo do porto de Polignano a Mare apresenta uma conformação basicamente rochosa, recoberta com frequência por uma camada de material arenoso de grão médio e fino localizada principalmente na área central da bacia e nas proximidades do atual canal de entrada. Os resultados das sondagens geognósticas realizadas na área do porto sob intervenção indicaram o seguinte tipo de material a ser dragado: 1) material arenoso médio-fino na superfície; 2) material calcário compacto. A operação, portanto, além da escavação do material rochoso, prevê inicialmente a remoção do material arenoso médio-fino; a tarefa tem de ser levada a cabo em diferentes partes do porto de modo a assegurar que as profundidades acima mencionadas sejam atingidas. A natureza calcária predominante do material dragado torna o mesmo apropriado para uso posterior. Após o armazenamento temporário em uma área do canteiro usada para estacionamento de carros, o material vai ser usado principalmente para enchimento na construção da nova infraestrutura planejada (docas, cais).

Modalidade dos trabalhos de escavação

A dragagem dos materiais arenosos poderá ser feita com uma draga aspiradora. Os trabalhos de escavação em rocha serão realizados com dois demolidores hidráulicos Indeco, um HP 5000 montado sobre um CAT 325D e um HP 7000 montado sobre um CAT 330D. Serão removidos aproximadamente 40.000 m3 em aproximadamente 4 meses de trabalho. A Trani Scavi usa martelos Indeco há mais de 25 anos, e possui também um Indeco HP 3000, um HP 500, um HP 1800. Ela utiliza exclusivamente martelos Indeco.

O canteiro em resumo

Cliente principal:
Cala Ponte SpA, Noci, Bari

 

Consórcio temporário de empresas incluindo:

  • Cooperativa San Martino
  • Chioggia, Veneto – Especializada em trabalhos marítimos
  • Trani Scavi SaS
  • Trani, Bari – Especializada em trabalhos de escavação
  • Valerio General Costruzioni Srl
  • Margherita di Savoia, Foggia – Especializada em obras civis públicas e privadas

Projetista e coordenador de projeto para a Cala Ponte SpA
Eng. Giuseppe Lamanna
Responsável técnico de canteiro para a Cooperativa San Martino
Eng. Luca Gallo
Responsável de canteiro para a demolição em água da Trani Scavi
Agrimensor. Francesco Pertout